Frente reúne religiosos, trabalhadores e estudantes contra candidato de extrema-direita

A Frente Joinville pela Democracia reuniu, nesta terça-feira (16), representantes da sociedade civil de diferentes religiões, etnias e segmentos para uma entrevista coletiva. Entre militantes dos direitos de minorias, artistas, lideranças sindicais, educadores, estudantes e jornalistas, todos os presentes demonstraram preocupação com a intolerância, a violência e ascensão de símbolos e valores fascistas.

A professora Valdete Daufemback, uma das porta-vozes da Frente, fez a leitura de um manifesto, que registra que o coletivo é “supra-partidário, constituído por homens e mulheres, diversos e plurais, que decidiram se unir para defender a democracia no país”. Na sequência, cada um dos convidados registrou suas preocupações, compartilhadas em segmentos ou grupos sociais.

O professor Leandro Hofstätter, por exemplo, manifestou sua preocupação como educador, como luterano e como advogado. “Se olharmos um pouquinho a história, vemos que o momento é muito parecido com a Alemanha da década de 1920 e 1930”, pontuou. “Como educador eu quero ensinar as pessoas a pensarem e não a repetirem palavras de ordem. Quero que tenhamos liberdade de expressão e possamos tomar nossas próprias decisões”, disse.

A militante dos direitos LGBTQ, Maisa Regina Bilenki, falou sobre a importância de se continuar vivendo em um ambiente de ampliação de direitos. “Não podemos permitir que esse ódio seja institucionalizado e que o preconceito seja tomado como discurso oficial, como política pública”.

O direito das mulheres negras também foi alvo de reflexão, por meio das palavras da advogada Ana Paula Nunes Chaves: “Estou aqui para representar o povo negro, pois a ameaça aos nossos direitos é iminente. A democracia pela qual tanto lutamos e a igualdade de direitos que ainda não conquistamos está prestes a enfrentar um retrocesso”, disse.

Preocupação com o contexto

O militante do movimento estudantil, Guilherme Luiz, fez questão de relembrar momentos históricos em que os jovens protagonizaram e potencializaram mudanças. “Houve muito sangue de estudante na ditadura militar. Um candidato não pode rumar o poder pelo ódio às minorias”, argumentou.

Para o líder sindical Rodolfo de Ramos, além de representar o ódio e a intolerância, Jair Bolsonaro também é uma ameaça ao trabalhador: “Como pode um trabalhador votar em alguém que ameaça os seus direitos básicos?”, questionou.

Lideranças da área cultural também estiveram presentes. O escritor Jura Arruda falou em nome da Confraria dos Escritores de Joinville, relembrando a essência democrática da instituição. “Não queremos aceitar que somos um país que não pensa a diversidade, que não pensa o futuro, que não pensa as mulheres, os negros, os LGBT”.

O produtor e ator Cristóvão Petry fez menção à sua pesquisa sobre censura no teatro nos tempos da ditadura militar. “Estreamos esse fim de semana uma peça que foi censurada há 50 anos e nunca pensei que precisaria falar uma coisa tão óbvia novamente: não podemos aceitar a censura”.

A jornalista Iraci Seefeldt, que também atua no campo da cultura e da inclusão, falou sobre o risco de retrocessos relacionados às políticas de inclusão: “Nos últimos anos viemos galgando conquistas em relação ao setor cultural e inclusão. Temos de conviver em harmonia, com divergências, mas dentro de um estado democrático de direito”.

A militante dos Direitos Humanos e cristã ecumênica de tradição católica, Lizandra Carpes, falou da importância de se lembrar do evangelho ao se falar da palavra de Cristo. “É a nossa democracia que está em jogo”, alertou.

O jornalista Guilherme Kuhnen também se expressou como cristão, como quem “tem a fé evangélica”: “A candidatura de Bolsonaro é contra os principais pilares que sustentam a fé evangélica desde os idos de Jesus Cristo”.

A Frente Joinville pela Democracia volta a se reunir amanhã, em plenária a ser realizada na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Joinville, a partir das 19h30.

Veja o vídeo da atividade

Coletiva de imprensa da Frente Joinville pela Democracia

Posted by Frente Joinville pela Democracia on Tuesday, October 16, 2018

Foto e informações: Divulgação

Um comentário em “Frente reúne religiosos, trabalhadores e estudantes contra candidato de extrema-direita

  • 17 de Outubro de 2018 at 17 de Outubro de 2018
    Permalink

    Movimento supra partidário, que TODOS são HADDAD ??? Não seria um movimento PARTIDÁRIO ??? Vai entender ! ! !

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *