Para quebrar jejum, Tupy enfrenta retrospecto negativo contra Pirabeiraba

A Associação Atlética Tupy tem uma missão difícil pela frente neste sábado (21), às 15h30, na Arena Joinville. Para voltar a levantar o título da Primeirona, a equipe precisará de um resultado inédito nesta temporada: vencer o Pirabeiraba. Em três partidas realizadas, o Pira levou a melhor em duas, sendo que a outra partida terminou em 0 a 0. Em quase 300 minutos de disputa, o time da zona Leste ainda não balançou as redes do adversário e sofreu cinco gols.

Leia também: Atual campeão, Pirabeiraba chega forte na busca pelo bi da Primeirona

Para chegar à Arena, a Tupy venceu uma árdua batalha na semifinal da competição. O América estava invicto, dono da melhor campanha e com estrelas como Lima, Serginho e Kiko. Em casa, vitória sobre o América por 1 a 0 com gol do volante Iago. Na partida decisiva uma ducha de água fria na tarde chuvosa do último sábado. O Galo venceu no tempo normal por 2 a 0. Na prorrogação, a Tupy foi cirúrgica, Anderson foi letal. O artilheiro do campeonato abriu o placar, deu assistência para o segundo e marcou o terceiro, um golaço com tapa na saída de Bambam. O Olímpico calou!

Dentre tantos personagens que a Associação Atlética Tupy já consagrou no futebol joinvilense, Anderson Vera Wolff é o principal nome. Desde 2009, com exceção para os anos de 2013 e 2014, ele tem sido o artilheiro das temporadas do principal torneio amador de Joinville. O A10 é um dos seis remanescentes do último título do esquadrão ouro-anil em 2012. Dos jogadores daquele time, apenas o zagueiro André Luiz e o meia Carlinhos não tem sobrenome Vera Wollf. Os irmãos Anderson, Jorge e Junio faziam parte da equipe que venceu o Garuva por 1 a 0, gol de Cinésio, no primeiro jogo.

Na partida decisiva, nova vitória: Tupy 3 a 0 sobre o Garuva. Anderson marcou um gol e Cinésio marcou dois.
Porém, talvez o grande time da Tupy tenha sido o campeão de 2010. André; Mineiro, Charles, Jamaica e Toró; Pit Bull, Formiga, Marco Antônio e Jorge; Anderson e Cinésio. Mas o time de 2017 poderá também ficar gravado na história, por não ser o favorito e reverter a vantagem de dois fortes adversários.

Agora técnico, Dinho quer resgatar a “essência da Tupy”

Quem terá o trabalho de comandar o grupo nesta árdua missão é outro integrante importante da equipe campeã em 2012, o então preparador físico Edson João Cordeiro, o Dinho. Ele tem uma equipe jovem em suas mãos, mas conta com uma espinha dorsal experiente. Os titulares Regi, André Luiz, Carlinhos, Jorge e Anderson, além de Marcelão, Tuchê e Junio. Os jovens Douglas, outro Vera Wolff e Victor foram dispensados do JEC em 2015, para sorte da Tupy. Iago (24) e Cassiano (23) também passaram para base do JEC. O carioca Iago jogou também no Fluminense do RJ e esteve com o baiano Cassiano no Fluminense do Itaum.

Como técnico, Dinho foi campeão da Segundona 2013 pelo Bola 10 e da Terceirona 2016 pelo Itinga FC, de Araquari. O técnico fala sobre os confrontos realizados nesta temporada. “Fizemos três jogos contra o Pirabeiraba. O primeiro foi horrível, não jogamos bem, eles foram superiores e moeram a gente. Na segunda partida já jogamos melhor, criamos bastante, mas eles mataram o jogo num contra-ataque e uma bola parada no segundo tempo”, comentou Dinho, sobre as duas derrotas para o adversário deste sábado. “No terceiro (jogo) fomos melhores, tivemos muitas oportunidades, mas não concluímos, este tem sido o diferencial deles, eles vão e marcam”, continuou.

Receita para vencer o Pirabeiraba de Da Silva

Dinho na hesita em responder sobre a receita para levantar a taça contra o Pirabeiraba. “Temos que marcar muito bem a armação deles que é com o Toretti, além dos três atacantes que são muito rápidos e aproveitar as poucas oportunidades que geralmente surgem contra eles”, disse o treinador. Dinho relata a dificuldade imposta pelo experiente técnico adversário. “É muito difícil jogar contra o Pirabeiraba. O Da Silva faz marcação individual, é uma estratégia que ele usa, e tem dado certo, mas já ganhamos deles também. Quem tiver num dia mais feliz, aproveitar as oportunidades, sairá vencedor”, decretou.

Sobre o jejum, o treinador explica o que é possível fazer para voltar a vencer. “No último título eu estava lá. A equipe precisa apresentar a essência da Tupy, um time com vontade, aguerrida, com camisa e repetir o que fizemos o campeonato todo. Temos um time com jovens, torcer para Anderson, Jorge, Carlinhos e Tuchê estarem novamente numa tarde inspirada, neutralizar as investidas do Pirabeiraba. É difícil, é uma final, mas temos que jogar bem e com a determinação de sempre, a determinação da verdadeira Tupy”, concluiu.

Texto: Marcos Aurélio Carvalho
Edição: Yan Pedro Kuhnen
Foto: Yasmin Gracielle Fotografia Esportiva

Este conteúdo foi interessante para você?
Clique no botão e colabore financeiramente.

Um comentário em “Para quebrar jejum, Tupy enfrenta retrospecto negativo contra Pirabeiraba

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *