Como será a participação dos joinvilenses na Greve Geral desta sexta-feira

Derrubar Michel Temer da presidência e impedir as reformas são as palavras de ordem na nova Greve Geral de 2017, que ocorre nesta sexta-feira (30). O movimento, como no dia 28 de abril, ocorre em todo o Brasil e Joinville não ficou de fora. Sindicatos, partidos políticos e movimentos sociais vão promover paralisações e manifestações.

Veja também: Galeria de fotos da Greve Geral no dia 28 de abril

O Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville (Sinsej), que recentemente realizou uma greve por conta da discussão salarial, vai paralisar atividades durante todo o dia e realizar uma manifestação a partir das 9 horas, na Praça da Bandeira (ao lado do terminal central). A comunidade está convidada a participar.

Na terça-feira (20), a União Sindical de Joinville se reunião para combinar as ações de sexta-feira. Os sindicalistas também chamam os trabalhadores e a comunidade para se reunir na Praça da Bandeira, mas às 14 horas. Desta forma, haverá manifestação durante todo o dia. “A mobilização é importante para que não seja retirado nenhum direito dos trabalhadores”, comenta Lourival Pisetta, presidente da entidade.

A reunião também serviu para combinar a divulgação da Greve Geral. Além de outdoors espalhados previamente pela cidade há algumas semanas, as entidades sindicais divulgam o ato nos locais de trabalho.

Reforma trabalhista prejudica os trabalhadores

O projeto de Reforma Trabalhista altera mais de 200 artigos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e retira vários direitos. Permite, por exemplo, a supressão de intervalo de descanso, o trabalho intermitente – que é aquele em que o trabalhador só recebe pelas horas que efetivamente trabalhar, sem remuneração de descanso e férias. Legaliza que gestantes trabalhem em ambientes insalubres, que as férias sejam divididas em três vezes e que as jornadas cheguem a até 12 horas diárias. Além disso, implanta o conceito do negociado sobre o legislado. Dessa forma, o acordo entre trabalhador e patrão vai valer mais do que a legislação.

Texto: Felipe Silveira
Foto: Arquivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *