Crônica do jogo: Com emoção, Joinville bate Botafogo e iguala final da Liga Ouro

O torcedor do Joinville não precisa mais de cardiologista. Se o coração resistiu ao jogo 4 da final da Liga Ouro, é porque está em bom estado. Joinville e Botafogo fizeram uma partida digna de final de campeonato, com um final imprevisível e muita coisa acontecendo dentro da quadra. Com a torcida ao seu lado, a equipe de Santa Catarina venceu por 79 a 75 e levou a definição do título para o jogo 5.

Diferentemente das outras partidas, os times começaram o jogo mais soltos em quadra. O alvinegro carioca demonstrava tranquilidade para trabalhar a bola e parecia não sentir pressão diante da possibilidade de matar a série em pleno Centreventos Cau Hansen. Porém, era tudo ou nada para os joinvilenses e a equipe teve o primeiro revés da noite logo com 6 minutos de jogo. Jefferson Socas ia subir para cesta quando sentiu uma fisgada no músculo posterior da coxa. O armador, que tinha cinco pontos e dois rebotes, teve que deixar a quadra para não mais voltar. Sem um dos principais jogadores, o Joinville ia precisar se superar para evitar que a taça fosse para as mãos dos adversários. Foi então que um reforço importante entrou em quadra: a torcida da casa.

Os 1.229 pagantes fizeram muito barulho durante todo o jogo e empurraram o time local à vitória. Sem Socas, a equipe mostrou ter um conjunto muito forte. O ala Vezarinho assumiu a armação do time e com 14 pontos, 3 rebotes e 5 assistências, comando o ataque joinvilense. O pivô André Bambu, o mais experiente da equipe, também contribuiu com 14 pontos, além de 5 rebotes e 3 assistências.

No momento em que o Joinville passou a frente no placar, o grande destaque era o pivô Jerônimo. Além dos 12 pontos e 4 rebotes que conseguiu no jogo, ele levantou o ginásio em uma jogada em que deu o toco na defesa e depois apareceu para finalizar o ataque com uma bela enterrada. Além dele, Felipe Vezaro, com 12 pontos e 5 rebotes, e Maxwell, com 9 pontos e 5 rebotes, também se destacaram.

A força do elenco joinvilense se viu presente nos momentos decisivos do 1º tempo. Com menos de um segundo de posse, o Joinville conseguiu a cesta quando o ala Willian Weihermann, que jogou apenas 4,8 minutos, aproveitou jogada combinada no tempo técnico para fazer a cesta e deixar o Joinville apenas dois pontos atrás no placar no intervalo.

No quarto período, com o Joinville já na frente, a torcida novamente foi fundamental, provocando erros de lances livres dos destaques alvinegros, Jamaal e Arnaldinho. Faltando três minutos para o fim, o Botafogo teve a chance de passar a frente com Wes, mas o armador teve a porta fechada por um toco de André Bambu e, a partir daí, o Joinville deslanchou. Contando com a efervescência do ginásio, o time controlou a partida com personalidade e garantiu a vitória.

O ala Felipe Vezaro avaliou a partida da equipe e a postura após perder seu principal armador: “O Jefferson é o nosso armador, organiza nosso time muito bem, sentimos a falta dele no início, mas nosso time soube suprir essa ausência. O Lucas (Vezarinho) também arma muito bem, controlou o jogo e a gente conseguiu atacar bastante. Fizemos nossos contra-ataques, que é nossa arma mais forte e agora vamos jogar tranquilos lá no Rio de Janeiro”.

O pivô Roberto, do Botafogo, lamentou a derrota, mas se mantém confiante na equipe. “Vamos ter alguns treinos antes da final e acertar algumas coisas. Sabemos que playoff é assim mesmo, mas vamos pensar em vencer o jogo lá. O Joinville também faz uma boa temporada, um bom trabalho, vai ser um jogão entre as duas equipes”, afirmou o jogador visitante.

Após o jogo, os atletas joinvilense demonstraram muita confiança para o jogo 5. Com poucas chances de atuar no Rio, Socas afirmou que estará junto com a equipe: “É um sentimento ruim ter trabalhado o ano inteiro e ficar fora da parte boa que é a final, mas eu confio muito no trabalho de todos e vou com eles pro Rio, dar força do banco pra gente conquistar esse título”.

André Bambu também falou em vencer fora de casa: “Conseguimos fazer um jogo bastante técnico, duro, como deve ser e agora vamos buscar uma vitória lá no Rio de Janeiro”, afirmou.

A partida derradeira da competição ocorre na sexta-feira (30), às 20h, no ginásio Oscar Zelaya. Quem vencer fica com a taça e a vaga no NBB.

Texto: Vitor Forcellini
Foto: LNB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *