Para sair da crise, Pingo fala em recuperação moral dos jogadores

Uma das principais revelações do Joinville Esporte Clube, o ex-jogador Luís Roberto Magalhães, o Pingo, foi apresentado na tarde de segunda-feira como o novo treinador do clube. Pela frente, uma missão difícil: tirar o time da parte de baixo da tabela do Grupo B da Série C e buscar a classificação para o Série B. Uma tarefa árdua que ele prefere chamar de desafio.

“Eu vi um momento importante, um desafio gostoso. Temos plena convicção que faremos um bom trabalho e o Joinville vai conseguir o acesso. Claro que o futebol requer resultados e eu gosto do bom futebol. Gosto de arriscar, você tem de entrar para vencer”, disse o novo contratado, evidenciando sua característica ofensiva.

Pingo trouxe consigo o auxiliar Bandoch, também campeão com a camisa tricolor, e o preparador físico George Castilho. O novo comandante fez elogios ao elenco e explicou que uma das soluções é levantar a moral dos jogadores:

“Primeiro é com o treinamento, é tudo trabalhado. Você treinando e passando a tranquilidade para os atletas eles possam usar nosso modelo de jogo. Eu considero o elenco muito bom, muito bom mesmo. A hora agora é de conseguir recuperar os jogadores moralmente. Passar confiança para os jogadores voltarem a jogar bem.”

Pingo estava no Brusque, clube pelo qual fez um bom trabalho no estadual. Em Joinville, vai reencontrar atletas que se destacaram com ele no Catarinense, o atacante Ricardo Lobo e o meia Eliomar.

A carreira como treinador começou em 2010, quando assumiu o Juventus, de Jaraguá do Sul. Depois comandou o Caxias (Joinville), voltou ao Juventus e teve a primeira passagem pelo Brusque. Em 2014 assumiu o Avaí e nos dois anos seguintes atuou no Metropolitano. Em 2016, uma experiência fora de Santa Catarina, com a Tombense. Voltou ao Brusque em 2017 e agora assume o JEC.

Como jogador, vestiu muitas camisas, e algumas bem pesadas, como Botafogo, Grêmio, Flamengo e Corinthians. Teve uma experiência no exterior, no Sporting Crystal, do Peru.

Pingo destacou que Joinville está a apenas cinco pontos de distância do líder. “Realmente existe um equilíbrio muito forte no campeonato. Duas vitórias podem colocar você na liderança, por ser um grupo equilibrado, e a gente precisa errar pouco em uma situação dessas”, comentou.

Sonho realizado

Pingo afirmou que está completamente recuperado de um tumor que teve e está mais forte do que nunca. Também comemorou o retorno ao clube de sua cidade.

“Eu acho que é um momento ideal, nós temos convicção de que vamos fazer o Joinville subir. É um sonho realizado, eu cresci no Joinville e vivi muitos momentos bons por aqui, é uma emoção e alegria estar aqui outra vez.”

Chamou a torcida

“O torcedor realmente fica muito chateado com os maus resultados. Eu confirmo aqui que o Joinville vai apresentar um bom futebol e a gente precisa do torcedor, porque ele faz diferença.”

Modelo de jogo

Depois de recuperada a moral do grupo, Pingo também pretende analisar e fazer as correções necessárias. Ele também demonstrou apreço pelo futebol mais para frente. “Eu quero o bom futebol, o futebol bonito. O futebol ofensivo é algo que me faz acreditar que o futebol brasileiro é o melhor do mundo”, disse Pingo.

Seu esquema tático preferido é um losango, com um volante e dois jogadores do lado que podem se movimentar e chegar mais à frente: “Gosto de apenas um volante fixo, os outros tem que estar livres para dar mais opção no ataque”, comentou o treinador, destacando a necessidade de criação do time.

“Quando você perde gol, precisa trabalhar finalização. Agora, se você não consegue chegar no gol, aí está um grande problema”, concluiu.

Texto: Yan Pedro Kuhnen e Felipe Silveira
Foto: Beto Lima/Assessoria JEC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *