Violência aumenta em SC, mas Jaraguá do Sul e Brusque lideram as menos violentas do país

Jovens decapitados, feminicídios, crimes violentos ligados ao tráfico e latrocínios são notícias recorrentes em Joinville. A sensação é que violência tem aumentado de maneira significativa nos últimos anos, na cidade, no estado e no país. Uma pesquisa divulgada na segunda-feira (5) ajuda a compreender melhor o fenomêno a partir de números.

O Atlas da Violência 2017 traz os dados da violência entre 2005 e 2015 nas cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes. A pesquisa é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). De acordo com o relatório, ocorreram no Brasil, somente em 2015, 59.080 homicídios e mortes violentas por causas não identificadas. Isso corresponde a uma taxa de 28,9 mortes a cada 100 mil habitantes.

Em Joinville, a taxa ficou em 23,3. Foram 129 homicídios e 2 mortes por causa não identificada no último ano da pesquisa. A cidade fica apenas na 104a posição no ranking das mais pacíficas, que é encabeçado por duas cidades catarinenses: Jaraguá do Sul e Brusque.

Na cidade vizinha, que registrou cinco homicídios em 2015 e uma por causa não identificada, a taxa ficou em 3,6 mortes violentas a cada 100 mil habitantes. Em Brusque, o número oficial é de 4,1. Blumenau (9,7), Tubarão (11,4) e Florianópolis (13,4) também figuram entre as menos violentas.

A pesquisa traz os dados comparativos entre 2005 e 2015 por Unidades da Federação. Santa Catarina registrou um aumento da violência de  51,2% neste período. Em 2005, foram 633 mortes violentas no estado. Este número chegou a 957 em 2015. Apenas no último ano, de 2014 a 2015, o crescimento da violência foi de 5,7%. A taxa catarinense, em 2015, foi de 14 mortes violentas por 100 mil habitantes.

O relatório ainda traz informações sobre as mortes violentas de jovens, de mulheres e da população negra, além do número de mortes provocadas por arma de fogo e pela atuação policial.

Jovens
Mais de 318 mil jovens (15 a 29 anos) foram assassinados entre 2005 e 2015 no Brasil. Em Santa Catarina este número foi de 4.195. Foram 442 mortes violentas somente em 2015. A variação foi de 37,3% entre 2005 e 2015. Apenas no último ano da pesquisa, de 2014 a 2015, o número de homicídios de jovens aumentou 10,0%.

Armas de fogo
Do total de homicídios no país, 41.817 pessoas foram mortas por armas de fogo, o que corresponde a 71,9%.

Intervenção policial
Somente em 2015 foram 3.320 mortes violentas por intervenção policial no Brasil, sendo 63 delas em Santa Catarina.

População negra
Em Santa Catarina, a taxa de homicídios de pessoas negras foi de 20,6 por 100 mil habitantes. O número aumentou 50,7% entre 2005 e 2015. No último ano do registro (2014 a 2015), a variação foi de 37,4%. Já entre a população não negra, no último ano do relatório a taxa caiu 1,1% no estado.

Mulheres
Em 2015, 4.621 mulheres foram assassinadas no Brasil, o que corresponde a uma taxa de 4,5 mortes para cada 100 mil mulheres. Em solo catarinense, entre 2005 e 2015, foram mortas 1.007 mulheres de maneira violenta. O número aumentou 42,6% no período. Foram 97 homicídios somente em 2015, um número menor que o registrado em 2014: 111. Dessa forma, houve queda de 12,6%.

Enquanto a taxa de homicídios de mulheres não negras diminuiu 7,4%, entre 2005 e 2015, no Brasil, o indicador equivalente para as mulheres negras aumentou 22,0%.

Texto: Felipe Silveira
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Informações: IPEA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *