Projeto que regulamenta contratação de presos chega à Alesc

O Governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) um projeto de lei para regulamentar as parcerias entre Estado e empresas privadas que pretendem empregar presos dentro ou fora das unidades do sistema prisional. Na prática, estas parcerias já existem por meio dos mais de 240 convênios de trabalho firmados entre a Secretaria da Justiça e Cidadania com empresas privadas e órgãos públicos possibilitando o emprego de detentos em atividades laborais.

“Hoje, 6.950 apenados exercem atividades laborais em Santa Catarina, um índice superior a 38%. É a maior média do país segundo levantamento do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) vinculado ao Ministério da Justiça. Além dos bons números na área laboral, temos atualmente 3,7 mil apenados estudando, resultado de um intenso trabalho de humanização e ressocialização”, afirma a secretária de Estado da Justiça e Cidadania, Ada Faraco De Luca (foto).

Em 2011, o governo catarinense aderiu ao programa Começar de Novo, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que oferece uma série de vantagens às empresas. Pela Lei de Execuções Penais (LEP), as empresas ficam obrigadas a pagar um salário mínimo, entretanto, ficam dispensadas do pagamento de 13º salário, FGTS, INSS, aviso prévio, bem como alguns impostos e outros benefícios trabalhistas previstos na CLT.

“Isto é um grande estímulo para o empresário investir em oficinas de trabalho nas unidades prisionais e ampliar os seus negócios, mas o mais importante é que ele não enxergue somente vantagens, porque ele estará na verdade dando sua contribuição humanitária”, diz Ada.

Edição: Felipe Silveira
Foto: Carlos Kilian/Agência AL (arquivo)
Informações: Secom/SC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *