Governo repassa R$ 4,5 milhões aos Bombeiros Voluntários de SC

Uma das entidades mais antigas do estado, os Bombeiros Voluntários surgiram da necessidade das comunidades de ter uma força organizada para resolver problemas locais, como o combate a incêndios. A instituição joinvilense, por exemplo, foi fundada em 1892. O trabalho é voluntário, mas a instituição recebe recursos privados e estatais, como o repasse de R$ 4,5 milhões para a Associação dos Bombeiros Voluntários no Estado de Santa Catarina (Abvesc), assinado pelo governador Raimundo Colombo na última terça-feira (11), em Joinville.

O ato foi realizado no novo quartel do Corpo de Bombeiros Voluntários. “A entidade trabalha com muitas dificuldades e, mesmo assim, atende vários municípios e presta um serviço de grande relevância, com um custo muito menor. Então a gente tem que ajudar e dar esse apoio para que os bombeiros voluntários continuem se aperfeiçoando, comprando novos equipamentos e se superando para enfrentar os desafios da sua missão”, afirmou o governador.

A entidade engloba 31 corporações de Santa Catarina, e cada município recebe valor proporcional à população. Os Bombeiros Voluntários são sociedades civis autônomas, de direito privado, com certificado de entidade filantrópica, que sobrevivem de contribuições e doações da comunidade em geral e pessoas jurídicas. Conquistaram institucionalmente o direito de receber, sistematicamente, uma subvenção financeira do Governo Estadual desde 1991.

De acordo com o presidente da associação, Moacir Thomazi, o valor do convênio de valor mais expressivo na história da Abvesc . A associação estadual foi fundada em 1994, quando existiam apenas 11 corporações voluntárias no Estado, atuando com integrantes civis, com qualificação e treinamento para poder prestar o serviço. Atualmente, são 3,7 mil pessoas que prestam serviço, sob regime de voluntariado, para a execução de serviços de combate a incêndios, busca e salvamento, prestação de socorros em caso de emergências, desabamentos, inundações, catástrofes e calamidades públicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *